20

Comboios Intactos Da Vida...

15/10/2011 .

"...Durante toda a minha vida, entendi o amor como uma espécie de escravidão consentida. É mentira: a liberdade só existe quando ele está presente. Quem se entrega totalmente, quem se sente livre, ama o máximo.
E quem ama o máximo, sente-se livre.
Por causa disso, apesar de tudo que posso viver, fazer, descobrir, nada tem sentido. Espero que este tempo passe rápido, para que eu possa voltar à busca de mim mesma - encontrando um homem que me entenda, que não me faça sofrer.
Mas que bobagem é essa que estou dizendo? No amor, ninguém pode machucar ninguém; cada um de nós é responsável por aquilo que sente, e não podemos culpar o outro por isso.
Hoje estou convencida de que ninguém perde ninguém, porque ninguém possui ninguém.
Essa é a verdadeira experiência da liberdade: ter a coisa mais importante do mundo, sem possuí-la..."
" (...) tenho muitos comboios intactos na minha vida. um deles é o meu coração. também só brincava com ele quando o mundo colocava os carris, e nem sempre era o momento certo." (...)
Extraído do livro Onze Minutos
Autor: Paulo Coelho

20 Comentários:

José S. Pereira disse...

O Paulo está certo, Alba. No amor não há perdas, nem ganhos. Apenas amor. E ele, em sua concepção mais pura e essencial é Liberdade.

Temos sim, muitos produtos similares, genéricos, engendrados por almas egoístas e vendidas com amor. Banalizadas até. Mas... ah, pra quem ama são tão evidentes as diferenças! Difícil comprar gato por lebre rs

Beijos

Eloisa Floriano Fasulo disse...

Oi Alba,passando para me desculpar por estar tanto tempo sem vir aqui.Ando meio desanimada de ficar no pc.Vejo uma coisa ou outra e saio.
Depois do acidente do meu filho ,tive um tremendo efeito rebote quando ele se recuperou.
Fiquei firme enquanto ele estava se recuperando,depois...Bom,mas já estou melhorando.
Adorei os últimos posts.
Beijos.

Beth Muniz disse...

Querida Alba,
Que desafio fantástico: Amar, ser amado, ser livre e não aprisionar a pessoa amada.
Costumo acreditar que os sentimentos não aprisionam.
O que nos aprisiona e ao outro, são as nossas atitudes frente ao amor, e quase sempre em nome dele, amor.
Beijo.

Caroll disse...

Alba,
É verdade quando Paulo Coelho disse"cada um de nós é responsável por aquilo que sente". O outros só nos machucam quando permitimos.
Belíssimo texto!
Abraços

Beth Muniz disse...

Querida Alba,
Passando para reler este maravilhoso texto e desejar um excelente final de semana.
Beijão.

Alba Simões disse...

@ Jornal do Mestre!
Concordo, amor puro sem amarras!
Obrigada pela presença!
Grande abraço

Alba Simões disse...

@mlima
Olá Marcia!
Realmente uma verdade que poucos aceitam...
Obrigada pela presença e por opinar!
Beijos

Alba Simões disse...

@José
Meu amigo, como sempre seus comentários agregam
excelente conteúdo aos temas publicados.
Os sentimentos não mudam, as pessoas que se enganam ou camuflam verdades imutáveis!
Obrigada pela participação e beleza de comentário!
Beijos

Alba Simões disse...

@Eloísa
Imagina, eu entendo perfeitamente você!
Não tem nada que se desculpar!
O importante é que vocês estão bem!
Obrigada pela presença e elogio aos Posts!
É sempre bem vinda!
Beijos

Alba Simões disse...

@Beth
Querida amiga, realmente você disse tudo.
As atitudes que tomamos, tomam frente a qualquer sentimento!
Entregar-se sem cobranças, talvez seja a chave mestra!
Obrigada pela presença e a sensatez das suas palavras!
Beijos com carinho!

Alba Simões disse...

@Caroll
Perfeita a sua colocação!
Nós temos a mania de culpar os sentimentos.
Esquecemos de reavaliar nossos atos.
Só nós podemos permitir ou negar certos acontecimentos em nossas vidas!
Obrigada pelo carinhoso comentário e elogio ao artigo!
Grande abraço!

Alba Simões disse...

@Querida Beth
Obrigada pelo carinho e gentileza!
Uma semana maravilhosa pra você!
Beijos com carinho!

Letitia Morgan disse...

Alba, esse pensamento está correcto e é muito bonito, enquanto conceito.
É assim como aquela teoria da esfera a rolar eternamente. Se a colocarmos em movimento, ela rolará para sempre à mesma velocidade - só que as condições têm de ser ideais, não pode haver atrito, mínimo que seja, senão ela acaba por parar.
Abs.

Cecilia sfalsin disse...

Ei Alba,
Amiga,escrevi um texto a pouco tempo onde dizia sobre quando amamos ,esta pessoa passa a ser sua mas de uma forma bem especial"meu amor","minha vida","meu sonho",mas nunca meu ser em um ato possuidor,pois ele não aprisiona, e sim da liberdade a uma pessoa de sair de um mundo de solidão para um voo desconhecido de sentimentos , e é esta liberdade que traz as razões mais doces e sinceras em uma relação,é algo gostoso e muito aventureiro de se sentir,e nos responsabiliza na nossa entrega.Viver o amor sem medo é dar vida ao seu próprio eu...amei o post,eu amo o amor,rs, um tema que por mais que escrevemos sempre ha uma nova descoberta.

Beijos

Beth Muniz disse...

Minha querida Alba,
Voltei!
Voltei porque me ficou a impressão de que faltou algo para compreender, e porque também senti vontade de ler coisas belas.
Li e reli.
Descobri que só há uma forma de se lidar com o belo sentimento chamado amor.
É entendendo "Que o amor pertence a quem se deseja alcansar...".
Viajei?! rsrs
Beijo.

Alba Simões disse...

@Letitia
Realmente é apenas um conceito, baseado em teorias...
Concordo plenamente, que na prática não é tão fácil, principalmente se as condições
não forem favoráveis.
Obrigada pela presença e sábio comentário!
Grande abraço!

Alba Simões disse...

@Cecília querida.
Maravilhosa sua definição.
Acredito que seja o melhor caminho para a harmonia desta convivência!
Muito obrigada pela presença e comentário valoroso, enriquecendo a proposta deste tema!
Beijos

Alba Simões disse...

@Beth querida
Que bom que tenha voltado e expressado a sua bela descoberta!
Se Viajou, foi por um excelente e verdadeiro motivo! rs
Beijos com carinho!

Postar um comentário

MyFreeCopyright.com Registered & Protected



 
▲ Voltar ao Topo