2

Vaga, no Azul Amplo Solta

18/01/2011 .
Vaga, no azul amplo solta, 
Vai uma nuvem errando. 
O meu passado não volta. 
Não é o que estou chorando. 

O que choro é diferente. 
Entra mais na alma da alma. 
Mas como, no céu sem gente, 
A nuvem flutua calma. 

E isto lembra uma tristeza 
E a lembrança é que entristece, 
Dou à saudade a riqueza 
De emoção que a hora tece. 

Mas, em verdade, o que chora 
Na minha amarga ansiedade 
Mais alto que a nuvem mora, 
Está para além da saudade. 

Não sei o que é nem consinto 
À alma que o saiba bem. 
Visto da dor com que minto 
Dor que a minha alma tem. 

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

2 Comentários:

Rackel F. F. Tambara disse...

Presente maravilhoso para um dia ensolarado. Poema de almas sublimes. Adorei. Bjs. Rackel

Postar um comentário

MyFreeCopyright.com Registered & Protected



 
▲ Voltar ao Topo